campus multiuso

Estúdio de cinema vira campus multiuso em Berlim

Projeto transforma estúdio clássico de cinema berlinense em espaço reurbanizado com várias atividades

23 de dezembro de 2021 - 2 minutos de leitura

Autor: Redação

Compartilhe:

O escritório holandês de arquitetura MVRDV criou um projeto inovador para transformar um antigo estúdio de cinema em um campus multiuso, com foco na indústria criativa. A iniciativa envolve o prédio icônico do Berliner Union Film Ateliers (BUFA), implantado no Parque do Aeroporto Tempelhof, de Berlim. O estúdio foi uma das mais importantes estruturas da indústria do cinema e televisão da capital alemã durante anos e, agora, um novo plano diretor para o local propõe a reurbanização de toda a área, promovendo a reutilização adaptativa das estruturas existentes e a preservação da paisagem natural e biodiversidade.

O projeto foi desenvolvido por arquitetos holandeses e propõe a adaptação das estruturas atuais do BUFA, a partir de uma base sustentável. Ou seja: ele considera as principais características do edifício existente, mas também inclui a diversidade social da região onde a construção se encontra.

Campus multiuso incorpora novas necessidades

De acordo com Clive Nichol, CEO da Fabrix, empreiteira responsável pelas obras, o projeto vai “ressignificar a estrutura dos edifícios existentes e adaptá-los para poder incorporar novos usos e atender a diferentes necessidades”. A entrevista foi publicada pelo site Archdaily. O sócio fundador da MVRDV, Jacob van Rijs, destacou ao mesmo noticiário que a transformação do edifício histórico da cidade de Berlim amplia a vida útil do complexo e perpetua o seu legado para o futuro.

Na prática, o projeto envolve a reforma de um dos dois edifícios existentes, o qual será adaptado em um novo e moderno estúdio de produção. A ideia é maximizar a flexibilidade dos espaços interiores sem alterar as características originais do prédio tombado. Nesse caso, as intervenções serão de baixa tecnologia, incluindo a remoção de paredes e a utilização de cortinas móveis para a organização do espaço.

Na segunda estrutura do BUFA, chamada de House 1, a transformação acontecerá por meio da adição de uma “envoltória” verde, composta por estruturas de madeira e jardins verticais. Este edifício será responsável por abrigar os novos espaços flexíveis de trabalho, um café-bar e áreas para eventos e reuniões.

Os estacionamentos também saem de cena. Por outro lado, haverá o incentivo à biodiversidade local por meio da inclusão de novas áreas verdes. O reuso igualmente faz parte da mudança: a estrutura de aço, recuperada na demolição de dois antigos armazéns será utilizada no novo pavilhão de acesso, por exemplo. O projeto total não foi finalizado e inclui uma série de projetos-piloto desenvolvidos com a comunidade local.