Funding imobiliário : MRV&CO fecha acordo com Brookfield para venda de 5,1 mil habitações da startup Luggo

Funding imobiliário resultante da parceria entre MRV e Brookfield garante uma nova fonte de recursos para projetos da startup Luggo.

3 de janeiro de 2022 - 2 minutos de leitura

Autor: Redação

Compartilhe:

O Grupo MRV&CO e a Brookfield fecharam  um acordo no fim de 2021, para a venda de 5,1 mil unidades da Luggo, startup de locação de imóveis com serviços inteligentes, uma das divisões de negócios do grupo. Pelo acordo, a Brookfield adquiriu os empreendimentos, mas a  startup  se manterá na gestão e administração de todos os imóveis. No total, as unidades negociadas somam cerca de R$1,2 bilhão em Valor Geral de Vendas (VGV). O negócio garante uma nova fonte de recursos para o Grupo, viabilizando novos projetos da Luggo, já que até então, o principal funding para seus projetos era a venda de unidades do fundo imobiliário LUGG11.

O processo envolve três fases. Na primeira, estão incluídos os empreendimentos com alvará de construção expedidos, valor alvo de aluguel em fase final de definição e “cap rate” já definidos pelas partes. Eles somam 1.842 unidades e R$453 milhões de VGV estimado.

A fase 2 inclui os empreendimentos sem alvará de construção, que devem ser obtidos até dezembro de 2022. Fazem parte desta etapa cerca de 2.550 unidades. Já a fase 3 tem terrenos destinados a empreendimentos da Luggo, com alvará de construção a serem obtidos após 2022 e com valor alvo de aluguel e “cap rate” a serem acordados entre as partes: 710 unidades. A efetiva aquisição das propriedades se dará após a expedição do Habite-se e conclusão de cada propriedade, quando ocorrerá o pagamento e transferência do ativo, segundo o comunicado oficial sobre a parceria. 

A primeira venda de ativos do novo acordo aconteceu em 29 de dezembro, com dois empreendimentos: o Luggo Cabral, localizado em Contagem (MG), e o Luggo Piqueri, em São Paulo. O Valor Geral de Venda (VGV) foi de R$106 milhões, representando um recebimento líquido de R$56 milhões e um lucro bruto de R$30 milhões. 

No caso do Luggo Cabral, o empreendimento já atingiu 45% de locação em apenas 60 dias, reafirmando a assertividade do projeto e do modelo de negócios da Luggo. Já o Luggo Piqueri terá o início das locações de suas unidades ainda neste mês de janeiro.