Design urbano seguro

Design urbano seguro também é garantir a volta para casa

Transporte público é protagonista no design urbano seguro, garantindo deslocamentos com segurança para as pessoas.

14 de junho de 2022 - 3 minutos de leitura

Autor: Redação

Compartilhe:

Diminuir os acidentes de trânsito é o foco de muitos planejadores urbanos pelo mundo. E a saída pode estar nos trens. E nos metrôs. Ou linhas de ônibus noturnas. Ou em qualquer forma de fazer com que as pessoas cheguem em casa, sem precisar entrar em um carro. Isso porque, no conceito de design urbano seguro, garantir a locomoção das pessoas com segurança é premissa.

Nos Estados Unidos, o estado de Utah está mostrando que esse caminho é possível. Por lá, houve uma redução dramática de mais de 15% no número de acidentes fatais, principalmente envolvendo motoristas alcoolizados. Uma das formas pelas quais o estado diminuiu tais números foi criando linhas de ônibus expressas, aumentando os horários e os serviços de transporte público. 

A lógica do design urbano seguro – Mais transporte público, menos acidentes

De acordo com a American Public Transportation Association, o número de fatalidades no trânsito é inversamente proporcional à quantidade média de uso do transporte público pelos cidadãos. Em áreas metropolitanas onde a média de uso do transporte público é maior que 50 por habitantes, há menos da metade de mortes no trânsito do que em cidades com a média menor, de 20 viagens por habitante. 

Essa relação se mostra evidente no estado do Arizona, nos Estados Unidos. Os pesquisadores descobriram que universitários da cidade que moravam perto da estação de trem tinham menor probabilidade de dirigir após beber. Em Washington, a Metrorail chegou à mesma conclusão, somada à observação de que os bares e restaurantes próximos das estações de metrô ficavam mais cheios, ou seja, mesmo as pessoas bebendo mais, o número de acidentes era menor, porque as pessoas tinham o transporte público à disposição.  

Design urbano seguro é proteger as pessoas das piores consequências dos erros 

O design urbano seguro, com mais transporte público em áreas de bares ou em espaços universitários acaba dando mais recursos para as pessoas seguirem de maneira segura para casa. É quase como um cinto de segurança, já que dá uma alternativa com menos risco para aqueles que estão alcoolizados ou que poderiam ser um perigo para os outros. 

Além de se certificar que as pessoas voltassem para casa usando transporte público, o Estado de Utah reduziu o limite legal de álcool no sangue considerada ilegal. Essa medida considerada contraintuitiva acabou também sendo eficiente na diminuição dos acidentes. Segundo a epidemiologista que fundou a área de pesquisa de acidentes no John Hopkins Center, Susan Barker, ao pensar em como apoiar as “possíveis falhas” dos humanos, as cidades acabam por acertar e manter o ambiente seguro para todos. 

“Se você foca em tornar a cidade mais segura para a média da população, para as pessoas razoáveis, sóbrias, então ela não será segura para os bêbados, os dorminhocos e aquelas pessoas preocupadas com a saúde dos filhos ou que estão tentando chegar em casa o mais rápido possível”, tenta sintetizar Baker. “O resultado é que tornar o mundo seguro para bêbados torna o mundo mais seguro para todos”. 

Baker foi uma das principais vozes a favor do uso da cadeirinha para crianças nos carros, alternativa que diminuiu a fatalidade dos pequenos em casos de acidente. Nenhuma das medidas consegue prevenir o erro humano de acontecer, mas elas podem proteger todos das piores consequências desses erros.