água potável

Mala portátil transforma água do mar em água potável

Dispositivo criado por pesquisadores do MIT transforma pequenas porções de água do mar em um copo de água potável.

24 de junho de 2022 - 2 minutos de leitura

Autor: Redação

Compartilhe:

Transformar água salgada em água potável parece tema de ficção científica. Ainda mais se for através de um dispositivo que pesa 10 quilos e é do tamanho de uma mala portátil. Pesquisadores do Massachusetts Institute of Technology (MIT), no entanto, tornaram essa ideia realidade.

O dispositivo funciona a partir de um único botão e pode processar 0,3 litro de água por hora. Segundo os criadores da “mala desanilizadora”, Jong Yoon Han e Jung Hyo Yoon, assim que estiver 100% desenvolvido e pronto para ir ao mercado, a mala poderá filtrar 10 vezes mais do que o volume atual. 

Elétrico e solar

O dessalinizador portátil funciona com energia solar. Além disso, leva menos tempo para carregar do que a bateria de um celular. E é nesse ponto que se encontra o “segredo” do dispositivo: ele usa energia elétrica para remover as partículas para tornar a água potável, ou seja: não precisa de um filtro mecânico para o líquido.

A tecnologia usada no protótipo mistura a “ion concentration polarization”, um tipo de “campo elétrico” que filtra as partículas da água, com outra tecnologia chamada eletrodiálise. Para equilibrar ambas, o sistema utiliza inteligência artificial. Nos testes, o equipamento conseguiu filtrar água do mar em Boston já na primeira tentativa.

A eliminação da necessidade de substituição de filtros reduz consideravelmente os requisitos de manutenção a longo prazo. Isso pode permitir que a unidade seja implantada em áreas remotas e com recursos limitados, como comunidades em pequenas ilhas ou a bordo de navios de carga. Também poderia ser usado para ajudar refugiados que fogem de desastres naturais ou por soldados que realizam operações militares de longo prazo.

Custo para transformar água salgada em água potável

Atualmente, o preço da “mala” ficaria entre US$ 4 mil e US$ 4 6 mil, mas Yoon prevê que o custo pode ser reduzido a US$ 1,5 mil.  O protótipo atual foi feito em uma mala de plástico que o pesquisador comprou online, exatamente para torná-lo “viável” para o uso por qualquer pessoa. Segundo o MIT, o protótipo pode ficar pronto até o final de 2023.