O Museu do Amanhã está fazendo uma avaliação de tendências do futuro, com uma exposição que envolve seis tópicos. Referência da reurbanização do centro do Rio de Janeiro, o prédio é uma criação do arquiteto espanhol Sebastião Calatrava, também responsável pela nova estação do World Trade Center, em Nova York. A exposição “examina o passado, apresenta tendências do presente e explora cenários possíveis para os próximos 50 anos, a partir das perspectivas da sustentabilidade e da convivência”.

As seis tendências para as próximas cinco décadas exploradas, conforme o Museu, incluem as mudanças climáticas; alteração da biodiversidade; crescimento da população e da longevidade; maior integração e diferenciação de culturas; avanço da tecnologia e expansão do conhecimento.

Os temas estão bem alinhados com o projeto da instituição, que foi concebida como um museu de ciências aplicadas e que “explora as oportunidades e os desafios que a humanidade terá de enfrentar nas próximas décadas, a partir das perspectivas da sustentabilidade e da convivência”.

Pontuando as tendências no Museu do Amanhã

A primeira das tendências – Mudanças Climáticas – mostra como a influência do homem sobre o clima tornou-se marcante e passou a contribuir para a modificação do seu funcionamento em todo o planeta. Já a segunda – Crescimento da População e mais Longevidade – contextualiza o desafio da Terra em ter uma população mundial de dez bilhões de pessoas em 2060. E mais: com a maior parte dos novos habitantes em situação de pobreza. “As pressões sobre o meio ambiente e a demanda por recursos poderão levar a conflitos e a grandes migrações”, sinalizam os organizadores da exposição.

A terceira tendência – Mais Integração e Diferenciação – discute como a globalização econômica, a comunicação instantânea e o desenvolvimento dos meios de transporte proporcionam ampla conectividade ao mundo do Amanhã.

De acordo com o Museu, a redução das distâncias geográficas intensifica a convivência de grandes contingentes de indivíduos de origens, tradições, crenças, etnias, línguas e costumes diferentes em centros urbanos cada vez mais multiétnicos e multiculturais.

O Avanço da Tecnologia – incluindo a criação de novos materiais e a manipulação de estruturas moleculares, entre outros, é a quarta tendência, enquanto a Biodiversidade forma a quinta tendência apontada pelo Museu do Amanhã.

A exposição lembra que a pressão sobre os ecossistemas deve ampliar no futuro e, contra isso, a Expansão do Conhecimento é uma das formas de combate, fechando a lista de tendências do futuro.