relatorio do ipcc

Retrofit e descarbonização estão entre as inovações do Relatório do IPCC

Novo relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas indica pressão mundial para políticas ESG, inclusive em construção

11 de outubro de 2021 - < 1 minuto de leitura

Autor: Redação

Compartilhe:

O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), iniciativa da ONU que prevê respostas científicas para as mudanças climáticas, divulgou o Sixth Assessment Report, um novo relatório de avaliações sobre o andamento das políticas de ESG, sigla em inglês para atividades relacionadas ao meio-ambiente, políticas sociais e de governança. O novo documento vem sendo analisado por especialistas como Sophie Taysom, consultora que faz parte dos grupos de trabalho do IPCC.

Ela resumiu as oportunidades do Sixth Assessment Report no artigo O Relatório do IPCC: O que isso pode significar para a ESG no setor imobiliário. De acordo com a consultora, o “relatório do IPCC é um Código Vermelho para a humanidade. A pressão para que as empresas considerem e ajam de acordo com as considerações ESG é agora mais urgente do que nunca”. E as avaliações valem para vários segmentos de negócios, principalmente a construção civil.

Foco em retrofit e em carbono incorporado à construção no Relatório IPCC

Um dos direcionamentos para os setor da construção é a ênfase crescente em reformas e retrofit, em substituição a novas construções. Outra tendência é o foco maior no carbono incorporado à construção e aos materiais utilizados ao longo do ciclo de vida dos edifícios.

Desse modo, as políticas ESG devem receber maior atenção dos conselhos executivos das empresas, inclusive demandando mais especialistas com experiência adequada em sustentabilidade. E, da mesma forma, deve haver uma maior atenção às consequências para a saúde dos ambientes construídos e na mitigação dos impactos das mudanças climáticas.

Compilado por 234 autores que revisaram 14 mil estudos, o Sixth Assessment Report é a primeira grande atualização do IPCC desde 2013 e é publicado antes da Conferência das Partes sobre Mudança Climática das Nações Unidas (COP-26), que deve ocorrer neste ano em Glasgow, na Escócia.