esg

Incorporadoras populares se destacam em ESG

Análise da XP Investimentos mostra como cinco incorporadoras estão aplicando as políticas de ESG

11 de outubro de 2021 - 2 minutos de leitura

Autor: Redação

Compartilhe:

A corretora de valores XP Investimentos analisou em detalhes as políticas ESG (de meio ambiente, sociais e de governança, da sigla em inglês) do mercado de incorporadoras de imóveis residenciais populares. A avaliação faz parte da série Radar ESG, produzido pela corretora. O relatório, publicado em junho último, destaca os tópicos ESG vistos como mais importantes para as incorporadoras de imóveis residenciais populares e analisa o posicionamento de cinco companhias do setor.

De acordo com o documento, o setor de construção residencial popular oferece uma combinação de desafios e oportunidades de uma perspectiva ESG. “Enquanto destacamos que as empresas atuam principalmente por meio do programa habitacional Casa Verde e Amarela (CVA) – que a nosso ver tem forte apelo na inclusão social -, vemos espaço para melhorias tanto no que se refere às iniciativas quanto à divulgação de dados ESG, posto que apenas a MRV possui relatório de sustentabilidade atualizado”, especifica o relatório, que foi escrito por três analistas da XP: Marcela Ungaretti, Lucas Hoon e Renan Manda.

Segundo eles, quando se trata de incorporadoras de imóveis residenciais populares, as cinco empresas analisadas apresentam ações positivas e o fato de elas estarem listadas nas regras do Novo Mercado as impulsiona a adotar o padrão mais alto de governança corporativa.

A MRV é posicionada na liderança, “com sólidos compromissos” nos pilares E e S, seguida da Tenda, que se destaca em relação aos pares na frente G, além de estar no caminho certo com uma solução mais verde (construção remota com placas de madeira). “Para a Cury, Direcional e Plano & Plano, destacamos os esforços atuais das empresas, embora reconheçamos que elas ainda estão construindo a jornada ESG, e esperamos mais por vir, tanto em termos de iniciativas quanto, principalmente, de divulgação de dados”, destacam os especialistas.

“Por outro lado, vemos espaço para melhorias tanto na independência (já que a maioria das empresas imobiliárias tem seu fundador e familiares como acionistas e executivos relevantes) e diversidade, já que (i) sinalizamos a ausência de uma maioria independente – exceto a Tenda (100% dos membros independentes); e (ii) as mulheres representam apenas uma média de 17,8% e 11,6% do Conselho de Administração e da Diretoria Executiva, respectivamente, das cinco empresas”, detalha o trio de especialistas da XP Investimentos.

MRV é destaque entre as cinco empresas analisadas

Especificamente sobre a MRV, o relatório explica a classificação de liderança em ESG, com sólidos compromissos e um bom nível de divulgação. “Na frente E, destacamos seus esforços na busca e implementação de soluções de energia limpa, gestão de emissões de gases do efeito estufa (GEEs) e políticas de gestão de resíduos, enquanto na frente S reconhecemos positivamente as iniciativas da empresa em inclusão social e o Instituto MRV. Por fim, no pilar G, vemos de forma positiva que suas ações são listadas nas regras do Novo Mercado, enquanto observamos que a empresa carece de uma maioria independente no Conselho de Administração”, detalham os analistas.