A implantação da quinta geração de telefonia móvel (5G) está mudando o jogo para as cidades e vai fortalecer os projetos de inteligência. A avaliação é de Anthony Behan, diretor de comunicações, mídia e entretenimento da Cloudera. Para ele, a densidade de rede aprimorada pelo 5G pode oferecer suporte a aplicativos urbanos mais variados, o que deve impulsionar, por sua vez, a melhoria dos serviços e a habitabilidade. Em declaração ao site Smart Citie World Behan acredita que os aplicativos para cidades inteligentes estão cada vez mais maduros e vão exigir redes com conectividade sempre ativa e de baixa latência, pois o atraso na transmissão de dados é um pecado mortal para o 5G.

O especialista, no entanto, não mitifica a quinta geração. “Embora o 5G possa oferecer velocidades mais rápidas e menor latência, não é realmente um grande motivo para atualizar o seu smartphone. O 5G é uma tecnologia empresarial, antes de mais nada, oferecendo segurança aprimorada, maior cobertura urbana, menor latência e maior capacidade do que qualquer um de seus antecessores”, resume. O diferencial da tecnologia seria o suporte de computação de ponta, o que a torna particularmente adequada para atender os requerimentos de alto desempenho, incluindo sistemas integrados de tráfego e serviços localizados, como a otimização de rotas.

O especialista destaca ainda que o rendimento de dados das redes 5G fornecerá insights não apenas sobre os vários sistemas, mas também sobre as comunicações entre eles, incluindo modelos de localização e proximidade. 

5G suportará inovação para cidades inteligentes

A aplicação da lei e os cuidados de saúde podem ser integrados, da mesma forma que equipes de manutenção podem agrupar as tarefas de acordo com as habilidades e recursos disponíveis. Behan lembra ainda que os novos recursos comprovam que a ativação do 5G diz respeito a uma rede com operação diferente, principalmente por viabilizar inúmeras aplicações usando a Internet das Coisas (IoT).

Segundo o executivo, o aspecto mais interessante do 5G é a plataforma que ele inevitavelmente fornece para a inovação. “Cidades em todo o mundo estão se unindo a provedores de serviços para fornecer incubação de empresas, semeando novos projetos de tecnologia voltados à melhorar as operações e a vida urbanas”, argumenta.

Behan destaca, no entanto, que é necessário ter uma conjunção de fatores para que o 5G contribua com os projetos de cidades inteligentes, com destaque para conectividade fornecida pela rede; um ambiente de computação, que pode ser fornecido por parceiros de nuvem locais ou pelo próprio provedor de serviços de comunicação; e serviços e ferramentas de dados.