Inovação urbana: Vale do Silício italiano?

Com 4,5 bilhões de euros, Milão vai transformar bairro abandonado em polo de inovação urbana.

23 de fevereiro de 2022 - 2 minutos de leitura

Autor: Redação

Compartilhe:

Milão vai transformar um bairro na periferia da cidade em um distrito de inovação urbana, nos moldes do Vale do Silício. Chamado MIND, o projeto de 4,5 bilhões de euros tem planejamento para redesenhar um dos espaços onde aconteceu a World Exposition em 2015. Inclusive, o projeto nasce dentro do conceito de sustentabilidade e “conectado” à Expo, pois a reconstrução do bairro será feita a partir do aproveitamento de 98% do material usado nos pavilhões do evento.

O distrito é localizado a 12 quilômetros do famoso Domo, do centro da cidade de Milão. De acordo com a Bloomberg, o bairro vai ter espaço para habitação de 60 mil pessoas, incluindo acomodações para 3 mil estudantes. Além disso, terá espaço para uma aceleradora de startups e um dos maiores parques lineares da Europa, que vai conectar tudo com o corredor da cidade.

Na parte de “tecnologia e ciências”, já está projetado um Tecnopolo Humano, com instituto de pesquisas, como o da AstraZeneca, e um laboratório para sequenciamento de genoma humano. 

Com visão de futuro, o polo de inovação urbana ainda deve estar pronto para tecnologias que ainda nem estão disponíveis em escala. Um dos exemplos é a instalação de droneports, ou seja, aeroportos especialmente preparados para decolagem e pouso de dispositivos voadores verticais. A projeção é que, em algum momento, os drones sejam usados para transportar pessoas e, então, precisarão de um espaço para esse movimento. Outro ponto é focar na infraestrutura para carros e veículos autônomos elétricos. Há 140 anos, Milão foi uma das primeiras cidades do mundo onde Thomas Edison construiu as primeiras usinas de energia elétrica. 

Os investidores do projeto, como a companhia Lendlease, estão trabalhando em conjunto com o poder público italiano para criar o espaço de inovação que será pioneiro na Itália. A iniciativa também já conta com o apoio da Academia. A Universidade de Milão entrou no projeto para acrescentar um novo campus de ciência, feito para abrigar 18 mil estudantes e cerca de mil pesquisadores até 2025.